Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Alunas de relações internacionais são voluntárias em curso oferecido para haitianos em Piracicaba

Alunas de relações internacionais são voluntárias em curso oferecido para haitianos em Piracicaba

por Angela Rodrigues publicado 30/06/2016 08h00, última modificação 05/07/2016 13h35

“O direito de um haitiano não vale apenas no território delimitado que chamamos de Haiti, vale por todo o mundo”. As palavras resumem os sentimentos de Larissa da Silva Grosso, 21, aluna do 3º semestre do curso de relações internacionais da Unimep em relação à sua atuação como docente voluntária no curso de língua portuguesa oferecido para haitianos residentes em Piracicaba. Todas as segundas-feiras, das 19h às 21h, Larissa e a também aluna da graduação, Clarissa de Godoy Zaia, 21, ministram aulas de língua portuguesa para 25 haitianos na sede da Secretaria de Trabalho e Renda de Piracicaba (Semtre). O curso, que terá duração de dois anos, é resultado de convênio de cooperação técnica da Unimep com a Prefeitura de Piracicaba, por meio da Semtre. A iniciativa segue os mesmos moldes do módulo oferecido aos haitianos no município de Santa Bárbara d´Oeste, desde março de 2015, e que também conta com o apoio da universidade. Na Unimep, a organização e promoção das aulas é da Assessoria de Relações Internacionais e da Coordenação de Extensão e Assuntos Comunitários.

A aluna Larissa conta que o convite para atuar no projeto surgiu por meio de Vanessa Sanches, que também é voluntária do curso oferecido em Santa Bárbara d´Oeste. “Como surgiu a possibilidade de esse curso ocorrer em Piracicaba, ela perguntou se tínhamos interesse. Somos frequentadoras de um grupo de estudos sobre os processos imigratórios em especial os haitianos. Claro que aceitamos”, detalha a aluna. Para a universitária, o curso é uma experiência que a deixa realizada, pois ajudar aqueles que necessitam da nossa ajuda é uma realização. "Auxiliar os haitianos a se inserirem na sociedade nada mais é do que justo, pois eles são cidadãos deste mundo e fazem parte de qualquer país, seja ele qual for. Já profissionalmente, a iniciativa traz muitos benefícios e experiências. É troca de cultura e sabedoria que nos conecta com o outro e o diferente”, afirma. Dentre os desafios citados por ela para o trabalho está a responsabilidade de ensinar e desempenhar as atividades da melhor forma possível.

Já Clarissa conta que os principais desafios para a sua trajetória profissional com a iniciativa consistem em “passar o conhecimento básico para os haitianos, ensinando, ajudando a alcançarem seus objetivos no Brasil para construírem uma vida mais digna! As aulas proporcionam português básico que os ajudam a ter mais oportunidade de inserção no mercado de trabalho e na sociedade brasileira”, afirma ela. Já para a formação pessoal, a universitária destaca que o curso permite olhar para os refugiados de forma mais humana. "Além disso, estarei em contato com pessoas de outra cultura e, como futura profissional de relações internacionais, tenho que ter uma interação além da fronteira”, destaca Clarissa.

EVENTO

A iniciativa foi aberta durante aula inaugural, que teve entrega de kits aos alunos e reuniu o prefeito Gabriel Ferrato, o Secretário Municipal de Trabalho e Renda, Carlos Beltrame, o coordenador de Extensão e Assuntos Comunitários da Unimep, Josué Adam Lazier, o assessor de Relações Internacionais, Marcelo da Silva Leite, além de professores e alunos.

No evento, Marcelo Leite afirmou que a parceria demonstra que "as duas instituições olham para além do limite local e enxergam o mundo, pensando numa perspectiva de como podemos ser agentes de transformação com os temas políticos, sociais e econômicos da agenda global”, observa.

Já Josué Adam Lazier, Coordenador de Extensão e Assuntos Comunitários da Unimep, destacou queesse projeto de extensão foi criado para oferecer oportunidades aos haitianos para se inserirem adequadamente no mercado de trabalho e contribuir para a continuidade dos estudos formais no Brasil, promovendo a integração na sociedade piracicabana, considerando que muitos chegam ao país sem conhecimento da língua local e/ou com baixo grau de escolaridade”.

Texto: Angela Rodrigues
Foto: divulgação/equipe Semtre
Edição: Celiana Perina
Última atualização: 27/06/2016