Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Com projeto de iniciação científica, aluna de fisioterapia estuda dores musculares relacionadas ao uso de celular

Com projeto de iniciação científica, aluna de fisioterapia estuda dores musculares relacionadas ao uso de celular

por Angela Rodrigues publicado 05/08/2019 05h00, última modificação 06/08/2019 21h55

Na Unimep, distintos projetos de pesquisa ligados ao curso de fisioterapia analisam a relação de uso de celulares e alterações musculoesqueléticas. Uma das pesquisas é “Prevalência de Vício no Celular em Estudantes Universitários e sua relação com a Dor e Atividade Eletromiográfica dos Músculos Mastigatórios” desenvolvido pela aluna do curso de fisioterapia e bolsista do PIBIC (CNPq), Érica Brito Gonçalves, com a orientação da docente da graduação, Fabiana Foltran Mescollotto.

A estudante e a docente destacam que, com o aumento do uso de celulares, principalmente smartphones, notaram a relevância do estudo sobre o uso do dispositivo por universitários e sua relação com dores musculares na região da cabeça e pescoço. A pesquisa busca conscientizar a população quanto ao uso inadequado de smartphones, e desenvolve olhar clínico para o tratamento das dores pela fisioterapia.

“O uso prolongado do smartphone pode causar alteração da atividade dos músculos mastigatórios, devido às articulações da face estarem interligadas com as da coluna cervical, e a postura adotada durante o uso pode causar um desalinhamento. Isso pode causar dor e tensão nessas musculaturas”, destaca Érica.

EVOLUÇÃO – A pesquisa está fundamentada na coleta de dados com estudantes da Unimep, que atuam como voluntários no projeto. Por meio do estudo, foi aplicado questionário sobre dependência do celular e o Índice Anamnésico de Fonseca, e, em seguida, realizada eletromiografia de superfície, que avalia a atividade dos músculos mastigatórios e do trapézio nas participantes.

De acordo com a orientadora Fabiana, o projeto dá continuidade à pesquisa desenvolvida ano passado sobre “Prevalência de disfunção temporomandibular em estudantes universitários e sua relação com o uso excessivo de celular”, mas acrescenta também a coleta de dados por eletromiografia.

O projeto amplia a pesquisa da professora que, em seu pós-doutorado na universidade, estudou a fadiga muscular em indivíduos com disfunção temporomandibular que usam celular.

RESULTADOS – Os dados serão avaliados ao final do projeto em agosto. No entanto, Érica já destaca que é possível evitar dores por meio de posturas adequadas ao manusear o celular e evitando uso prolongado do aparelho. Já para a sua formação acadêmica, a universitária aponta a contribuição da pesquisa para o seu amadurecimento profissional.

 

Texto: Daniela Borges
Edição: Angela Rodrigues
Fotos: banco de imagens
Última atualização: 26/07/2019