Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Com projeto em escala, alunos e coordenador do Laboratório SCPM criam miniatura de Romi-Isetta

Com projeto em escala, alunos e coordenador do Laboratório SCPM criam miniatura de Romi-Isetta

por Angela Rodrigues publicado 01/08/2016 08h00, última modificação 05/09/2016 14h24

A equipe do Laboratório de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura (SCPM) da Unimep teve papel fundamental para a promoção da celebração dos 60 anos do lançamento oficial do Romi Isetta, que ocorre em setembro. A equipe foi convidada pelas Indústrias e Fundação Romi a preparar um modelo da Romi Isetta em escala e todos os programas para a usinagem do modelo em 5 eixos. A partir desse trabalho, o modelo usinado foi confeccionado e os cerca de 60 exemplares das miniaturas do veículo foram distribuídos em evento realizado em Santa Bárbara d´Oeste. Uma delas também foi entregue à equipe do laboratório.

O professor Klaus Schützer, coordenador do Laboratório, conta que a equipe foi procurada especialmente pela competência e por ser especialista na área de usinagem em 5 eixos. “Este é um trabalho de alta complexidade e que demonstra tanto a nossa competência técnica, como também da Unimep em ter um laboratório de pesquisa como o nosso”, afirma.

Adaptação

O trabalho teve início no final de maio e foi desenvolvido pelos universitários Marcelo Octavio Tamborlin, 25, e Matheus Franco Soares, 23, ambos graduados pela Unimep e atualmente alunos do mestrado em engenharia de produção da universidade. Eles dedicaram mais de 250 horas de trabalho para a execução do projeto.

“Primeiramente foi necessário fazer a adaptação do modelo geométrico da Romi Isetta, obtido por meio de escaneamento 3D em um dos projetos do Laboratório SCPM. Esse processo consistiu em fazer algumas modificações no modelo para que o mesmo pudesse ser usinado com as ferramentas disponibilizadas pela Romi. Após a aprovação do modelo geométrico, a etapa seguinte foi a de programação CAM do modelo geométrico CAD, que se trata de gerar as trajetórias da ferramenta a serem executadas automaticamente durante o processo de usinagem. Em seguida, foi realizado o pós-processamento da programação CAM para que fosse gerado o programa NC (Numeric Control) a ser inserido no centro de usinagem da Romi. Depois de obter o programa realizamos testes de usinagem e fizemos ajustes para eliminar pequenos erros”, conta o aluno Matheus Soares.

Ele destaca que, ao longo do processo, o principal desafio foi o de conseguir realizar o trabalho dentro do prazo proposto pela Romi. “Uma programação CAM em um centro de usinagem 5 eixos é muito complexa e isso demanda muito tempo e cuidado, pois qualquer erro na programação poderia comprometer a máquina da Romi”, afirma. Além disso, o estudante diz que conseguir adaptar o modelo geométrico da Romi  Isetta, para que o mesmo pudesse ser usinado com as ferramentas disponibilizadas pela própria Romi, também foi um desafio.

Tarefas superadas, e que para o coordenador do Laboratório, prof. Schützer, são válidas para a trajetória dos dois alunos. “É a possibilidade de eles mostrarem tudo o que estão aprendendo e conhecem, em algo que é real e que será visto pelo público. Além disso, eles podem demonstrar a competência deles e a do Laboratório num trabalho de grande visibilidade. A preparação do modelo para preparar para a usinagem, e depois, toda a parte de programação foram muito complexas, porque trabalhamos com usinagem de cinco eixos”, afirma o professor.

Para o engenheiro mecânico graduado pela Unimep, Marcelo Octavio Tamborlin, 25 anos, que atualmente é aluno do mestrado em engenharia de produção, foram vários os desafios do projeto, dentre elas a adaptação e o remodelamento de uma representação fiel ao real para o de modelo sólido em escala. Ele conta que desenvolveu atividades como remodelar e corrigir o modelo, reduzir a escala e adequar para o nível de detalhes, planejar e programar a usinagem, verificar e otimizar a usinagem, adaptar o programa as ferramentas e a máquina da Romi, além de acompanhar e corrigir eventuais erros. “Com esse projeto, descobri mais sobre a interação com empresas e projetos, aprendi muito sobre a usinagem e o processo em si, que tem muitas aplicações na engenharia”, aponta o pós-graduando. 


Texto: Angela Rodrigues
Edição: Celiana Perina
Fotos: Ivan Moretti
Última atualização: 05/09/2016