Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Despedida a Maia foi marcada por reflexões, emoção e homenagens

Despedida a Maia foi marcada por reflexões, emoção e homenagens

por Universidade Metodista de Piracicaba — publicado 28/05/2015 16h12, última modificação 26/04/2016 18h52

O sepultamento do prof. Almir Maia, ex-reitor da Unimep (de 1986-2002)  foi pontual, assim como ele gostava. Amigos, familiares e colegas de trabalho compareceram para dar o último adeus na tarde chuvosa dessa quinta-feira. Antes, na Catedral Metodista de Piracicaba, cerca de 700 pessoas compareceram ao velório e culto em Ação de Graças que também contou com apresentações de coral. Foi um momento de emoção e reconhecimento pela integridade de sua trajetória pessoal e como educador, administrador e construtor da Unimep. Ontem, 27, durante o velório ocorrido no Centro Cultural e de Convivência, do campus Taquaral, Maia também foi homenageado e lembrado com muito afeto e emoção. Mais de 1.500 pessoas estiveram no local que abrigou dezenas de coroas de flores.     

Na noite de ontem, intermediado pelo coordenador de Extensão e Assuntos Comunitários da Unimep, prof. Josué Adam Lazier, houve um momento para homenagens públicas a Maia. O primeiro a falar foi o prof. Gustavo Jacques Dias Alvim, reitor da Unimep.  “Sentei para escrever algo, mas não consegui. Em todo momento, as ideias se embaralhavam com sentimentos. Hoje perdi um grande amigo, companheiro de trabalho e colega de tantos anos de convívio”, afirmou Alvim. Na sequência, outras dezenas pessoas expressaram suas histórias e experiências com o professor Almir Maia. Confira alguns dos depoimentos:

Prof. Sérgio Marcus Pinto Lopes – “A gente consegue ver aqui no campus Taquaral, em muitas coisas, como os prédios desse campus, a mão do prof. Almir. Mas gostaria de mostrar algo que nem sempre está claramente à vista, pois são coisas que estão além do estrutural, são as pessoas, como eu. Também sou resultado da construção do prof. Almir, pois ele sempre creditou em mim, sempre me incentivou”.

Adauto Soares da Silva – “Trabalhei como motorista da Unimep e convivi muito com o prof. Almir em andanças, idas e vindas de viagens, aeroportos, vários lugares. Digo neste momento difícil de se falar, que ele nunca me tratou como funcionário e sim como filho. Ele tinha muito carinho, dava conselhos, considero o prof. Almir como um pai mesmo. Não estamos perdendo o prof. Almir, apenas nos separando por um período. Ele é um grande exemplo de homem, ético, humilde e amoroso”.

Profª Leila Jorge – “Foi com o prof. Almir que a universidade se tornou de fato uma instituição. Ele cuidava de tudo, fazia inúmeras reuniões para acertar todos os detalhes e tinha a pontualidade como uma das características mais marcantes. Ele mostrou a importância da institucionalização. Uma das coisas que mais me orgulho, ocorrida nestes últimos anos, foi a manutenção dos nossos princípios, bandeiras e políticas acadêmicas. Isso me marcou muito, pois pudemos ver o zelo e o carinho que ele tinha com a universidade. Foi uma ideia feliz velar o corpo dele aqui porque esse era um dos lugares do campus que ele mais gostava”.

Prof. Almir Linhares – “Convivi com o prof. Almir Maia em vários momentos e muitas coisas poderiam ser ditas. Uma das coisas que mais me destacou foi o cuidado e também o carinho que ele mantinha com a educação básica. Mesmo sendo o gestor de uma universidade, ele nunca esqueceu o Colégio Piracicabano, que foi a origem da instituição. Isso mostra a preocupação dele com a educação, ele sempre sustentou a ideia de manter o Colégio, mesmo em períodos de crise. Ele foi um homem de muito caráter, dignidade e valores. Para mim, é um momento de muita perda”.

Nilson da Silva  Júnior – “Sinto uma tristeza imensa. Um dos momentos mais especiais da minha vida com ele ocorreu em 2014, quando ele foi homenageado pelo Consun e tive o privilégio de conduzir a devocional do evento. Ele sempre soube ver além dos problemas, ele soube ver além, sempre olhou para longe, nunca teve o olhar limitado. E também soube transcender problemas e limitações”.

Camilo Riani – “Falo aqui em nome do Salão Universitário da Unimep, segmento para o qual fui convidado por ele a assumir. Ele, mesmo sempre com a seriedade, também era apaixonado e grande incentivador do humor. Ele foi o criador do Salão do Humor e sempre levou a iniciativa muito a sério.”

 Profª Nadia Kassouf Pizzinatto – “Tive oportunidade de trabalhar com ele e pude conhecer o espírito empreendedor e humano do prof. Almir. Ele desenvolvia os seus trabalhos sempre com muita qualidade. Ele se preocupava com as pessoas. Foi ele quem deu o pontapé para muitas áreas da universidade que estão em destaque hoje, como o PPGA. Tenho lembranças muito queridas do prof. Almir”.

Rosiley Lourenço – “Tenho o prof. Almir Maia como uma referência. Foi ele quem me abriu as portas, me acolheu, me ajudou oferecendo bolsa de estudo  para estudar. Após a graduação, fiz a pós, e sempre contei com o apoio dele.”

Centenas de manifestações de carinho a Almir Maia também foram publicadas nas mídias sociais. Muitas postagens continham imagens do ex-reitor e depoimentos.  


Confira abaixo galeria de imagens, com vários momentos especiais vividos por Almir Maia no IEP.



Texto: Angela Rodrigues e Celiana Perina
Fotos: Bob Calligaris
Galeria: acervo Centro Cultural Martha Watts
Coordenação/edição de texto: Celiana Perina
Última atualização: 28/05/2015

 

 

registrado em: