Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Docentes orientam estudantes do ensino médio no Pibic Junior

Docentes orientam estudantes do ensino médio no Pibic Junior

por Universidade Metodista de Piracicaba — publicado 09/07/2013 12h17, última modificação 26/04/2016 18h50
Dezoito estudantes do ensino médio de escolas estaduais de Piracicaba participaram no primeiro semestre do Programa Institucional de Bolsas Iniciação Científica Junior do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico Tecnológico), desenvolvido em parceria com a Unimep. Conhecido como Pibic Júnior, a iniciativa tem projetos orientados na Unimep pelos docentes James Rogado, coordenador do curso de licenciatura em química, e Josiane Maria de Souza, coordenadora do curso de licenciatura em português (foto), em suas respectivas áreas de atuação. A iniciativa é pioneira na instituição e, de acordo com os professores, já é possível visualizar resultados satisfatórios.

“As alunas responderam positivamente ao trabalho e a pesquisa propiciou que elas construíssem um novo olhar sobre a formação do leitor”, afirma Josiane. A docente desenvolveu o tema Formação do Leitor com quatro estudantes do 1° e 2º ano do ensino médio da Escola Estadual Pedro Moraes Cavalcanti. A equipe realizou pesquisas na área e já aplicaram mais de 300 questionários para analisar o comportamento do leitor de ensino médio. O objetivo é auxiliar a escola na análise da eficiência de seus projetos de leitura realizados dentro da sala de aula.

Já Rogado é responsável por 14 bolsistas, alunos das escolas estaduais Doutor Antonio Pinto de Almeida Ferraz, Elias de Mello Ayres e Pedro Moraes Cavalcanti. Os projetos são desenvolvidos na área de química e educação química, tais como “Qualidade da Água e Qualidade de Vida junto a Ribeirões e Lagoas de Piracicaba” e “Desenvolvimento de Experimentos em Ciências da Natureza Articulados ao Currículo do Estado de São Paulo sob a Perspectiva CTSA (Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente)”. “As ações parecem permitir a disseminação das informações e conhecimentos científicos e tecnológicos básicos, e o desenvolvimento de atitudes, habilidades e valores necessários à educação científica e tecnológica dos estudantes, fortalecendo a esperança de que alguns deles, nos próximos anos, estejam na academia desenvolvendo novas pesquisas e investigações na área”, destaca Rogado.

Os trabalhos também contam com o apoio dos professores das escolas participantes.

 
Texto: Larissa Molina
Fotos: Fábio Mendes
Edição de texto: Angela Rodrigues
Última atualização: 09/07/2013
registrado em: