Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Festival de Cannes seleciona curta-metragem de professor da Unimep

Festival de Cannes seleciona curta-metragem de professor da Unimep

por Universidade Metodista de Piracicaba — publicado 23/04/2015 11h37, última modificação 26/04/2016 18h52

O Festival de Cannes selecionou o filme “Command Action”, dirigido pelo cineasta e professor do curso de cinema e audiovisual  da Unimep João Paulo Miranda Maria, e criado pelo grupo Kino Olho, para a mostra não competitiva de curtas-metragens de 2015. Os alunos, também, de cinema e audiovisual, Giuliana Ferraresso, do 7º semestre, e Gabriel Ávila, do 5º semestre, participaram da produção. O curta-metragem retrata uma história na feira popular do bairro Cervezão, da cidade de Rio Claro. Miranda cita que para produção do filme os alunos tiveram contato direto com os feirantes e moradores, buscando retratar situações sociais vivenciadas dentro da própria feira.

Giuliana contou que foi convidada a participar pelo professor. Ela trabalhou como assistente na direção de arte, auxiliando os atores principalmente com figurinos, organização dos cenários e das cenas. Disse estar muito feliz e que todos da equipe mereceram a seleção para Cannes pelo esforço e dedicação: “participar de um projeto tão bonito foi muito gratificante. O projeto contribuiu para minha formação profissional de um modo diferente das produções da faculdade. Com uma equipe formada por pessoas competentes, foi possível ver a imensidão da área e as dificuldades do campo profissional”.

O prof. João Paulo afirmou que o projeto surgiu a partir de documentário realizado há alguns anos, sobre a mesma feira. A partir disso ele desenvolveu um roteiro que foi discutido durante suas aulas na Unimep, o que levantou o interesse de alguns alunos. Segundo ele, “a grande dificuldade do projeto foi conseguir realizar o filme dentro da feira real, utilizando do próprio movimento e conseguir fazer os moradores e feirantes se tornarem atores desta história”.

O filme faz parte dos planos de alavancar o que chama de “cinema caipira”, isso é, “um olhar diferenciado sobre o cotidiano do interior paulista, que fuja dos estereótipos convencionais”.

Para financiar o projeto foi utilizada a Lei Rouanet, que possibilita empresas a patrocinarem projetos culturais e abaterem os gastos do imposto de renda. João disse que, apesar da dificuldade para a captação, eles conseguiram apoio por meio do colégio Koelle, de Rio Claro. Também afirmou a importância da seleção e que já a esperava, pois no ano anterior teve outro filme selecionado: “estar em Cannes como selecionado me dará acesso a grandes encontros e serei apresentado a diversos profissionais reconhecidos do cinema mundial”.

 

Texto: Serjey Martins
Fotos: divulgação
Coordenação/edição de texto: Celiana Perina
Última atualização: 23/04/2015

registrado em: