Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Graduada em engenharia química apresenta projeto e recebe prêmio nos EUA

Graduada em engenharia química apresenta projeto e recebe prêmio nos EUA

por marsanta publicado 15/02/2018 07h00, última modificação 20/02/2018 01h39
Graduada em engenharia química na Unimep, Bárbara Borges Ribeiro, desenvolveu equipamento compacto para incineração de poluentes atmosféricos em projeto de mestrado.

Com a apresentação de dissertação de mestrado que resultou no desenvolvimento de equipamento compacto para incineração catalítica de poluentes atmosféricos específicos, a engenheira química graduada na Unimep, Bárbara Maria Borges Ribeiro, recebeu prêmio em evento realizado nos Estados Unidos. Ela foi reconhecida por apresentar o melhor pôster na categoria de mestrado após o trabalho ser apresentado na Annual Conference & Exhibition, ocorrida em Pittsburgh, Pensilvania, EUA. O projeto foi o tema de dissertação de mestrado defendida por ela em julho na Unicamp.

PROJETO

Ao longo da pesquisa, Bárbara desenvolveu um equipamento compacto para incineração catalítica de alguns poluentes atmosféricos, que reduz a emissão de compostos nocivos.

Segundo ela, a incineração é uma técnica muito utilizada para abatimento de alguns poluentes atmosféricos, os compostos orgânicos voláteis (COV) empregados em processos industriais, como solventes ou combustíveis. “No entanto, o processo de incineração mais conhecido e utilizado é a incineração térmica, que opera a altas temperaturas (superiores a 800 °C) e faz uso de combustíveis auxiliares para atingir a temperatura necessária. Devido ao uso de outros combustíveis e à alta temperatura, há formação de outros poluentes atmosféricos, conhecidos como óxidos de nitrogênio (NOx)”, conta ela.

A engenheira conta que a incineração catalítica é uma alternativa para esse processo. “Com o equipamento desenvolvido ao longo do mestrado, foi empregado um catalisador automotivo, que permitiu operar o processo a baixas temperaturas (entre 270 e 360 °C). Além disso, o aquecimento foi feito por resistências elétricas, portanto eliminou-se a necessidade de combustível auxiliar para elevar a temperatura. Desta maneira, as dimensões do equipamento foram reduzidas. A eficiência do incinerador catalítico compacto desenvolvido foi superior a 99% de degradação de COV, transformando o poluente em gás carbônico e água”, detalha. Além disso, Bárbara aponta a não formação de poluentes atmosféricos dentre as vantagens do equipamento.

O projeto de dissertação de mestrado de Bárbara na Faculdade de Engenharia Química na Unicamp foi orientado pelo prof. Edson Tomaz. A defesa ocorreu em julho de 2017.


Texto:
Angela Rodrigues
Edição e coordenação: Celiana Perina
Fotos: Antonio Scarpinetti
Última atualização: 06/02/2018