Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Intercâmbios proporcionam experiências para toda a vida

Intercâmbios proporcionam experiências para toda a vida

por Universidade Metodista de Piracicaba — publicado 26/06/2013 11h23, última modificação 26/04/2016 18h50

Após meses de estudos no exterior, os universitários Filipe Vargas Ferreira, do curso de engenharia química, e Ibrahim Mattus Neto (foto à esq.), de sistemas de informação da Unimep, retornaram ao Brasil com uma bagagem bem mais ampla da que tinham ao partir para seus respectivos desafios internacionais. Eles voltaram trazendo experiências acadêmicas, profissionais e pessoais, vivenciadas em países onde o idioma, o clima e a cultura foram apenas alguns dos desafios enfrentados. A oportunidade de participar dos intercâmbios se deu por meio do programa Ciência sem Fronteiras, ação do governo federal que concede bolsas sanduíche no exterior, e da qual a Unimep participa como universidade parceira. Atualmente, alunos de distintos cursos da Unimep participam de intercâmbios por meio do programa Ciência sem Fronteiras e também pelos programas institucionais da Unimep mantidos com os países: Japão, México, EUA e Alemanha, dentre outros.

“Oferecemos aos nossos alunos, professores e funcionários: oportunidades de intercâmbio acadêmico, cursos de idiomas, cursos de curta duração, envolvimento em pesquisa e produção científica em parceria com instituições internacionais de excelência. Organizamos vários cursos internacionais ao longo do ano e recebemos professores internacionais que vêm à instituição para ministrar aulas. Também trabalhamos na implantação de um programa de dupla diplomação, por meio do qual os universitários poderão estudar parte do curso aqui na Unimep e outra parte em uma instituição parceira no exterior. Ao final dos estudos, o estudante irá obter o diploma da Unimep e da instituição internacional”, detalha Marcelo da Silva Leite, coordenador da assessoria para assuntos internacionais da instituição.

Alemanha – Ferreira tem 25 anos, é mineiro, natural de Juiz de Fora, e atualmente está cursando o 9º semestre de engenharia química. Em março do ano passado, ele embarcou para a Alemanha, mais precisamente para a cidade de Stuttgart, Baden-Württemberg, onde estudou na Universität Stuttgart e trabalhou como assistente de pesquisa no Instituto Fraunhofer, a maior organização de pesquisa aplicada da Europa. O intercâmbio ocorreu por meio do projeto FedMan, iniciativa do Ciência sem Fronteiras, desenvolvido no Laboratório de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura (SCPM), sob coordenação do professor Klaus Schützer. O estudante conta que, no início, enfrentou dificuldades com o frio e a saudade dos familiares e amigos, mas destaca que foi uma experiência única com aprendizados diários. “Ao retornar ao Brasil trago, além de um aperfeiçoamento grandioso no campo da pesquisa, um amadurecimento que só se adquire em uma experiência de intercâmbio como esta, frutíferas em inquietações e com retornos inesquecíveis. Termino essa missão de estudos na Alemanha com a certeza de que a graduação-sanduíche desempenha não só o papel de formar profissionais cada vez mais capacitados, mas também o de engrandecer o sistema educacional brasileiro”, conta Ferreira.

Estados Unidos - Neto, 23, é piracicabano e está matriculado no 7º semestre do curso de sistemas de informação. Ele embarcou para a Filadélfia, Pensilvânia, no final de março de 2012, e lá permaneceu até dezembro. Durante esse período, cursou disciplinas na Drexel University e teve a oportunidade de realizar o intercâmbio ao ser selecionado na primeira chamada do programa Ciência sem Fronteiras, que ocorreu no final de 2011. A cultura e o uso contínuo da língua inglesa foram alguns dos desafios encontrados por ele, mas não o suficiente para atrapalhar a experiência vivenciada. “O clima da faculdade é incrível, fui muito bem recebido por professores e estudantes das minhas turmas. Sentia-me tão bem lá que quase não tive saudades de casa”, conta o unimepiano. Segundo ele, os meses passados no exterior foram muito bons. “Dentre os fatores mais marcantes da viagem, destaco o contato com a cultura americana, a convivência com pessoas de diversas nacionalidades, as amizades e também o conhecimento que acumulei nesse período”, enfatiza o estudante.

Tendo em vista a importância da internacionalização na universidade, a Unimep mantém e amplia convênios com instituições de ensino superior de países distintos. As iniciativas aumentam as oportunidades de estudo no exterior para os unimepianos e, ao mesmo tempo, abrem as portas da universidade para os alunos estrangeiros que queiram estudar no Brasil.

Participam atualmente de programas de intercâmbios da Unimep os alunos: Daniel L. F. Bassete, de arquitetura e urbanismo, e Lucas Basílio Vidigal, de publicidade e propaganda, que está no Reino Unido; Barbara Carolina Veiga de Carvalho, de publicidade e propaganda, e Murilo Duarte, de ciências biológicas, que estão em Portugal; Jefferson Dias dos Santos, de ciência da computação, na Espanha; Evelyn Doci, de arquitetura e urbanismo, que está na Austrália; Guilherme Bianconi Marini de Almeida, de engenharia química, no Canadá; Petterson Leyver de Souza e Gustavo Leme Miranda, de engenharia de produção, e Felipe Alves de Oliveira Perroni e Marcelo Octávio Tamborlin, de engenharia mecânica, que estão na Alemanha. 

Na Unimep – De outro lado, no primeiro semestre, a Unimep recebeu dois alunos do México: Jessica Andrea Avendaño López, 20, que cursa administração, e Jorge Alejandro Bello Meléndez, 24, matriculado em letras inglês - tradução e interpretação. Ambos vieram da cidade de Puebla, onde estudaram na Universidad Madero. Eles permanecem em Piracicaba até julho. Apesar de ter encontrado dificuldades com a língua portuguesa, Jéssica afirma que: “estudar na Unimep é uma experiência totalmente diferente, as aulas são mais práticas e aplicadas à realidade, pois o pessoal compartilha as experiências vivenciadas em seus trabalhos, o que torna as aulas muito mais interessantes”. Além dos dois intercambistas do México, outros cinco alunos, vindos de Guiné Bissau, atualmente estudam na universidade como alunos regularmente matriculados, ou seja, cursam o período integral. A estada deles na instituição resulta de um convênio entre a Unimep e a Igreja de Antula-Paal. São eles: Buamesca Nam Bana, de enfermagem; Isaque Nandigna, de redes de computadores; Levi Simão Intchama (foto acima à dir.), de ciência da computação; Samuel Indjala, de psicologia e Felisberto Indequem Nhode, de administração.

 
Texto: Elaine Pereira
Fotos: Fábio Mendes
Edição de texto: Angela Rodrigues
Última atualização: 26/06/2013

registrado em: