Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Mercado promissor para os bacharéis em biologia

Mercado promissor para os bacharéis em biologia

por Universidade Metodista de Piracicaba — publicado 26/09/2012 15h55, última modificação 26/04/2016 18h49

Para os interessados em aproveitar o máximo da vivência acadêmica durante as 3.434 horas-aulas, ou os quatro anos, que compõem a graduação de ciências biológicas – bacharelado, a coordenadora do curso na Unimep, Leda Rodrigues de Assis Favetta (foto ao lado), destaca quatro diferenciais da Unimep: os mais de dez laboratórios equipados e com técnicos capacitados; o corpo docente, todos com titulação em doutorado; as viagens de campo, que permitem a o aluno desenvolver atividades de pesquisa e acompanhar de perto questões ambientais e os atuais sete projetos de pesquisa em andamento, que diferenciam a universidade de uma faculdade. 

A matéria sobre o bacharelado em ciências biológicas encerra a série de reportagens sobre as graduações que compõem a Faculdade de Ciências Exatas e da Natureza da universidade. Além dos diferenciais, Leda destaca o fato de o bacharelado ter surgido da necessidade de complementar o curso de licenciatura na área, oferecido na Unimep há 40 anos.

Para Murilo Duarte, 22, aluno do 8º semestre da graduação, a classificação do curso junto ao MEC, determinou a escolha pela Unimep. “Esta graduação oferece aulas muito bem elaboradas no laboratório com a supervisão de técnicos e professores devidamente capacitados. Não só atendeu, como ultrapassou minhas expectativas. Também sou aluno do programa Ciências Sem Fronteiras, para o qual os professores me incentivaram a participar. Nesse sentido, o curso me proporcionou uma visão amadurecida em relação ao meio científico”, afirma.

Um ensino para além da sala de aula foi um dos fatores mencionados pela aluna Cristina Alves Cruz Ortega (foto abaixo), 52, atualmente no 8º semestre. “Percebo a referência que a Unimep tem a partir da participação dos docentes em congressos e outros eventos científicos da área”, afirma a universitária.

Já Alfredo José Rossetto Júnior, 40, aluno do 8º semestre da graduação, destaca que um dos diferenciais da graduação é o fato de o curso ser voltado à área ambiental, com atenção e apoio do corpo docente. Para ele, qualidade e acessibilidade determinaram o ingresso à universidade. “Na graduação, entendi conceitos sobre diversas áreas da biologia como: ecologia, evolução, biologia celular, zoologia e biologia vegetal, dentre outras. Também ampliei minha visão sobre o mundo e como o mesmo funciona de uma forma geral”, afirma o universitário.

ATUAÇÃO 

O bacharel em ciências biológicas, de acordo com a coordenadora, pode atuar em instituições de pesquisa como institutos de botânica, museus de zoologia, paleontologia, em estações de tratamento de água e esgoto, e também na área de laboratórios, como por exemplo, com a análise química e física da água, além de desenvolver pesquisas, se decidir seguir um curso de pós-graduação. 

“O profissional pode também trabalhar em ONGs, em indústrias farmacêutica e química. Enfim, o biólogo é um profissional com bastante atuação no mercado”, acrescenta Leda. Em relação ao campo para trabalhar, a docente lembra que a área biológica já teve um boom, principalmente nos períodos em que temas como clonagem e biologia molecular estiveram em evidência. Segundo ela, a tendência atualmente ocorre na área ambiental, e foi notada a partir do interesse de várias instituições em trabalhar a questão da sustentabilidade.

Já para o profissional ser bem-sucedido, Leda cita dicas como a de ser capaz de socializar o conhecimento científico adquirido e saber atuar em equipe. Segundo ela, apesar de variar conforme o campo de atuação, que pode ser público ou privado, o salário inicial de um profissional é de aproximadamente R$ 3.000.


Texto: Angela Rodrigues
Fotos: Fábio Mendes/divulgação
Edição de texto/jornalista responsável: Celiana Perina
Última atualização: 26/09/2012

registrado em: