Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Multidisciplinaridade e mercado amplo diferem relações internacionais

Multidisciplinaridade e mercado amplo diferem relações internacionais

por Universidade Metodista de Piracicaba — publicado 24/04/2013 17h23, última modificação 26/04/2016 18h49

Promover conhecimentos e atividades que vão além das relacionadas ao universo do comércio exterior e às transações comerciais internacionais, propiciar oportunidades de estágios e intercâmbios com a possibilidade de dupla titulação (na universidade e em instituições parceiras no exterior), diferenciam o curso de relações internacionais da Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep). Criado no ano de 2012, e atualmente com 35 alunos em sua primeira turma, a graduação é um dos cursos que compõem a área de negócios internacionais da universidade, e que em 2013, completa 15 anos de existência. Nessa semana, o curso é o destaque da série de reportagens da série Gestores em Ação.

Diferenciais
– Segundo conta a coordenadora da graduação, a professora Maria Thereza Miguel Peres (foto à esquerda entre alunos), relações internacionais nasceu a partir da experiência da instituição com a graduação de negócios internacionais, além de ter sido criado para atender a demanda local do mercado e conjuntura econômica do país. A coordenadora conta que estudos demonstram o crescimento da área desde os anos 90, com o movimento de globalização, que trouxe questões como a formação regional, a formação dos blocos econômicos, cooperação e a segurança internacional, a questão ambiental, demandando parcerias, acordos e contratos internacionais entre os países. Daí a necessidade de contar com esse profissional como assessor, como analista, como planejador, dentre outras funções. “Relações internacionais é um curso que transcende essa esfera de comércio internacional e fornece um conjunto de conhecimentos relacionados às questões políticas, às questões sociais, as questões econômicas. Ele possui uma matriz curricular multidisciplinar e um conjunto de disciplinas que permitem essa amplidão da visão de mundo e de cenários internacionais”, conta Maria Thereza.

Na sala de aula
– A universitária Isabella Gimenes (foto abaixo), 20, que cursa o 3º semestre, sentiu-se motivada a ingressar na graduação por já conhecer a instituição e por saber que o curso estava sendo oferecido pela primeira vez. “Até o momento, o curso atendeu todas as minhas expectativas, sou apaixonada por relações internacionais. Queria ingressar no segmento público, prestar concursos e acho que tenho uma boa base para isso. A Unimep mantém um ritmo de aprendizado que só havia conhecido em instituições federais”, conta ela. Já a escolha pela área e pela Unimep, foi definida pelo aluno do 3º semestre da graduação, Matheus Barrichello Clemente, 20, pelo fato de residir e querer permanecer em Piracicaba. “O curso conta com bons professores, que conhecem muito sobre o curso e sabem transmitir as informações. Além disso, é um campo amplo e no qual várias áreas são abrangidas”, afirma ele, que pretende atuar na área de exportação e importação. Já Murilo Baraviera, 21, que já havia cursado dois anos de direito em outra instituição, ingressou na Unimep após conversar com docentes que o orientaram a analisar a área da diplomacia. “Não queria parar de trabalhar e precisava de uma universidade que me permitisse isso. Vim para a Unimep, que é muito bem reconhecida na região”, conta ele, que é de Cordeirópolis. Dentre os principais diferenciais, ele aponta a multidisciplinaridade e oferecer um leque de estudos. \"Isso torna você um profissional mais flexível, que consegue trabalhar melhor e se adaptar em qualquer ambiente. Hoje, não troco por nenhum outro curso”, conta o estudante.

Também pelo fato de a graduação ser novidade, é que Caroline Hansen Santana Ramos da Silva, 19, que cursa o 3º semestre, se interessou. “Além disso, noto a motivação da parte dos professores e coordenação. A gente observou uma abertura muito grande dos docentes, que são bem democráticos”, conta ela. Especificamente, na área do ensino, ela menciona que o curso oferece uma visão de mundo bem mais ampla. “Ao longo da graduação, a gente percebe que há muitas opções na área de relações internacionais. Esse também foi um dos motivos pelo qual escolhi o curso. Após, pretendo trabalhar em empresas ou na área privada, no setor de estratégia internacional”, afirma ela, residente em Limeira.

Na prática
– Concluída a graduação, os profissionais de relações internacionais podem atuar como analistas, planejadores, avaliadores de cenários internacionais, assessorando as estratégias e decisões em empresas, órgãos públicos e privados, instituições internacionalizadas, bancos, além de instituições como embaixadas, consulados e ministérios. Em relação ao valor do salário inicial para o profissional recém-graduado na área, a docente aponta que a remuneração de alguns concursos públicos já alcançam faixas de quatro a sete mil reais, aproximadamente. “No entanto, o valor tem muito a ver com o nível de competência e de qualificação que o profissional vai apresentar no mercado de trabalho”, aponta Maria Theresa. A docente também destaca que uma das principais exigências do mercado de trabalho nessa área é a de dominar outros idiomas, prioritariamente o inglês e o espanhol, oferecidos no curso. “Outra exigência é o interesse que o aluno deve ter pela leitura, o gosto por se manter atualizado em relação ao que acontece com o mundo internacionalmente, ser um aluno criativo, flexível e que tenha um relativo controle emocional, para saber lidar com os conflitos porque as relações internacionais nem sempre atravessam momentos pacíficos, há momentos de contradição, de acirramento de interesses e de conflitos”, afirma.

Confira mais imagens de alunos e professores entrevistados no link: http://on.fb.me/YW9heW

Texto
: Angela Rodrigues
Fotos: Fábio Mendes
Última atualização: 24/04/2013

registrado em: