Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Parcerias e infraestrutura são os diferenciais do curso de música

Parcerias e infraestrutura são os diferenciais do curso de música

por Universidade Metodista de Piracicaba — publicado 05/10/2011 10h55, última modificação 26/04/2016 18h47

Fruto de uma parceria com a Escola de Música de Piracicaba Maestro Ernst Mahle (Empem), o curso de música licenciatura da Unimep tem parte da grade curricular realizada na própria Empem. A escola conta com laboratórios de percussão, de violão, de teclado e instrumentos em número equivalente ao tamanho das turmas. A universidade também mantém um convênio com a Prefeitura de Piracicaba para realizar o “Projeto Contraturno”, iniciativa que consiste no oferecimento de vagas de estágio em escolas públicas do município para universitários do curso.


Entre os outros diferenciais do curso de música licenciatura, oferecida na Unimep desde 2008, está o grupo de estudos que congrega alunos e professores em atividades de pesquisa e aprofundamento teórico e prático em algumas linhas de análise, como música e inclusão, conforme conta o coordenador do curso de música, Cassiano de Almeida (foto ao lado).

DIFERENCIADO 

Marcos Antônio Camacho Junior, 30, aluno do 4º semestre, estudava em uma faculdade de São Paulo e quando pediu transferência para a Unimep. O motivo? Segundo ele, foram os profissionais responsáveis pelo curso. “Os alunos e a secretaria me receberam muito bem. Gostei da graduação e considero os professores bons. Colocando em uma escala de 0 a 10, dou 10 para o curso da Unimep”, afirma. 

Também para Vitor Savazzi Moreira, 20, aluno do 2º semestre, a graduação superou as expectativas e permitiu o aperfeiçoamento de suas habilidades musicais. “Nesses seis meses de estudo, evoluí muito. Já domino práticas que não me imaginava fazendo meses atrás, também estou gostando muito das aulas”, destaca ele. 

O motivo que levou Gilberto Rocha de Almeida Júnior (foto abaixo), 25, do 6º semestre, a escolher a profissão está relacionado à educação. “Minha escolha se deu devido à nova situação em que educação tem está no país, com o reconhecimento da música na inclusão como matéria obrigatória no ensino público”, conta o universitário. Além disso, Junior destaca que a faculdade enriqueceu seu conhecimento com a oportunidade de participar de oficinas, de grupos de estudo e de a organização de festivais, atividades que tornaram a sua vida acadêmica mais ativa. 

MERCADO PROMISSOR

Após a Lei 11.769 ser sancionada em 18 de agosto de 2008, o mercado de trabalho passou a oferecer mais vagas aos profissionais da área. A lei exige o ensino da música nas escolas de educação básica e 2011 é o ano limite para que as escolas incluam a disciplina na grade curricular. Com a obrigatoriedade, as escolas vão precisar de mais professores. Jane Pereira da Silva, 38, fez parte da primeira turma do curso de música formada pela Unimep, concluída em junho desse ano. Há 11 anos, ela dá aulas de canto, em uma escola de música particular de Piracicaba. “O mercado de trabalho é promissor. Com o fim do prazo para a implantação da Lei 11.769, várias oportunidades começam a surgir e concursos devem ser abertos também”, completa a professora.

Entrevistas e texto: Matheus Calligaris  
Fotos: Fábio Mendes
Edição/jornalista responsável:
Celiana Perina
Última atualização: 05/10/2011

 

registrado em: