Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Pesquisadores alemães conhecem campus Santa Bárbara d´Oeste

Pesquisadores alemães conhecem campus Santa Bárbara d´Oeste

por Universidade Metodista de Piracicaba — publicado 04/09/2012 16h41, última modificação 26/04/2016 18h49

Três pesquisadores da Technische Universität (TU) Darmstadt, uma das principais universidades técnicas da Alemanha, conhecida mundialmente por seu trabalho no campo da tecnologia, conheceram pela primeira vez o campus Santa Bárbara d´Oeste da Unimep. Na instituição para participar de projetos e atividades do Laboratório de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura (SCPM), da Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Urbanismo, estão o doutorando André Picard (foto ao lado) e o estudante de engenharia Benjamin Franz (foto abaixo). Eles permanecem na universidade por períodos distintos. Além deles, também visitou a instituição, o doutorando Manuel Wolff, que já retornou à Alemanha no início de agosto. Na Unimep, eles trabalham sob a coordenação e orientação do professor Klaus Schützer, coordenador do laboratório SCPM.

PESQUISA

Manuel Wolff, que permaneceu apenas uma semana no Brasil, veio à Unimep para participar de reuniões relacionadas ao início do projeto Fluxo de Valor de Sistemas de Produção Sustentáveis Auxiliado por Simulação, coordenado por Schützer e outros quatro professores do PPGEP: Álvaro Abackerli, Maria Célia Papa, Carlos Roberto Camello, Alexandre Simon e André Helleno. Como conta Schützer, o projeto teve início no final de julho e terá duração de três anos. 

“O Laboratório SCPM já havia iniciado os trabalhos relacionados ao projeto, ainda durante o período de minha atuação como professor catedrático convidado na TU Darmstadt, pois estou implantando na Unimep um grupo de pesquisa na área de fábrica digital. Trata-se de uma pesquisa sobre as novas necessidades da indústria; e somos um dos primeiros grupos a trabalhar com esta temática no Brasil”, destaca o coordenador do Laboratório SCPM.

Já Andre Picard, que chegou ao país em julho, participa do projeto Bragecrim elaborando um resumo que inclui todas as apresentações e as demonstrações do projeto. Picard irá permanecer no Brasil apenas até o início de setembro e nesse período, espera conhecer mais o país nos horários livres.  Apesar de o pouco tempo, ele menciona algumas diferenças observadas em relação ao seu país de origem. Conta, por exemplo, ter surpreendido-se com a falta de transporte público de trem para longas distâncias e a falta de cafés. 

“Na Alemanha, é muito comum durante à tarde sentar-se em frente ao restaurante e aproveitar o sol enquanto se bebe um copo de café e lê-se um livro”, conta. Sobre o que mais gosta no país, ele menciona o clima e as pessoas e destaca o comportamento acolhedor do brasileiro. “Na Alemanha, as pessoas são mais reservadas, demora um tempo para abrir-se com outras pessoas. Você nunca convidaria alguém quase estranho para sua casa. Mas espero viajar um pouco pelo Brasil e descobrir muito mais”, destaca o doutorando.

Conhecer o Brasil também estava nos planos do estudante Benjamin Franz, antes mesmo de ele chegar ao país, no qual permanecerá por um ano. Na Unimep, ele irá participar de projetos do SCPM e também acompanhar disciplinas nos cursos de engenharia. 

“Planejei permanecer um ano em um país estrangeiro, para ampliar meu horizonte pessoal, ter contato com uma cultura diferente e viver aventuras. Muitos estudantes alemães vão para outros países europeus como intercâmbio, mas não era longe o suficiente para mim. Por anos, senti uma forte fascinação pela América do Sul e o Brasil é o mais fascinante para mim, pela imensa economia e sociedade emergentes, território enorme e a variedade que a natureza tem a oferecer”, conta. Atualmente, residente em uma república, Franz surpreendeu-se com o tráfego de São Paulo, com a falta de informações para deslocar-se de um local a outro, como os horários de ônibus, e com a burocracia. 

“Foi realmente difícil conseguir um celular aqui em meu próprio nome. Foi um trabalho de três dias, entretanto recebi ajuda de um brasileiro, porque ninguém diz o que você precisa apresentar e o que não precisa”, conta. Sobre o que mais gostou até o momento, o universitário cita o clima quente e ensolarado durante o inverno e a comida. Já sobre o que mais sente saudades, ele diz ser da cerveja, do pão e do leite da Alemanha. 

Texto: Angela Rodrigues
Fotos: Fábio Mendes
Edição/jornalista responsável: Celiana Perina
Última atualização: 04/09/2012

registrado em: