Você está aqui: Página Inicial / Pastoral Universitária / Mensagem da Semana / Mensagens Anteriores / Quando ser bom não é o suficiente

Quando ser bom não é o suficiente

por Angela Rodrigues publicado 01/01/2020 05h00, última modificação 06/03/2020 18h45

“Disse-lhe o jovem: “A tudo isso tenho obedecido. O que me falta ainda?” Mateus 19: 20.

 A maioria das pessoas não encontra nenhum problema em fazer coisas para Deus, porém, quando são desafiados a ouvirem e obedecerem integralmente, desenvolverem a disposição para fazer a “vontade soberana” do Senhor, muitos ficam aborrecidos, agem como crianças que não podem ser contrariadas.  

No Reino de Deus não é suficiente ser bom, é preciso ser obediente.  Alguém escreveu que quando a criança começa a aprender, ela começa com o ABC, quando entramos para o Reino de Deus, se faz necessário aprender O - BE – DE - CER.

O jovem rico era um bom homem. Podemos ver claramente isso no texto do evangelho. Ele guardou os mandamentos. Ele prestou muita atenção à lei. Às vezes, somos como ele. Acreditamos que observar as regras é tudo o que precisamos fazer.

"Diga-me o que devo fazer" muitas vezes este é o grito em nossos corações quando enfrentamos a vontade de Deus criticamente em nossas vidas. Não é que não queiramos cumprir a vontade de Deus – certamente a conhecemos. Ouvir a voz do Senhor não é o problema, pois “ele fala de muitas formas e de muitas maneiras”, a questão é, estamos determinados a obedecer. 

Mas talvez pensemos que só temos que agradar a Deus – fazer algo para pagar pelas bênçãos, para ganhar o caminho para o céu. Alguns chegam a afirmar ‘por que fiz isto ...”, mereço ir para o céu. Eu fiz o que devo fazer, agora tenho o direito a uma vida eterna. Até o jovem rico, o bom rapaz, aprendeu de uma forma difícil que esse não era o caminho.

Precisamos obedecer ao Senhor e trilharmos o caminho da santidade. Sabemos que somente Ele tem as Palavras de vida eterna. Somente Ele é o verdadeiro Mestre, e, de fato, o único professor. Ele não pode ser enganado nem induzir ao erro. Temos certeza de que Ele está nos dizendo a verdade. E assim, em oração, perguntamos a ele o que precisamos fazer para sermos mais do que bons – sermos discípulos féis.

O jovem rico saiu tristemente, contrariado, depois de ouvir a resposta de Cristo. Ele procurava a resposta para o significado de sua vida, mas desde que se encaixasse dentro de sua compreensão de mundo.

Ele sentiu um desejo em seu coração que o levou a buscar e encontrar o Senhor. Ele fez essa pergunta, mas ele não estava pronto para a resposta. Cristo não lhe dá novos mandamentos para cumprir. Ele não ensina o que evitar ou o que fazer. Ele convida o jovem para uma total dependência de Deus, deixar tudo e segui-lo por amor.

O jovem tinha uma vocação única, talvez até poderia ter se tornado um dos apóstolos – nós não sabemos. Cristo não pede a todos para deixar simplesmente as coisas materiais, Seu chamado é para que todos os cristãos o amem acima de tudo. Ele deixa claro que não existirá verdadeiro amor, sem uma rendição total à vontade do Senhor.


Silvio de Oliveira
Pastor e Psicanalista